Missas da Solenidade de Pentecostes na Comunidade Santa Luzia e na Matriz são presididas por Frei Valdo Nogueira

poscomunhaomissapentecostescomsantaluzia

O pároco Frei Valdo Nogueira foi o celebrante das missas da Solenidade do Domingo de Pentecostes (04/06/2017) na Comunidade de Santa Luzia às 7h da manhã e na Igreja Matriz da Paróquia São Francisco de Assis às 19h. A cor litúrgica do dia foi o vermelho, em referência ao fogo do Espírito Santo. À noite na Matriz foi feito o envio das equipes de preparação do Festejo franciscano de 2017, também foi entregue pela Comunidade São José à Comunidade São Pedro a capelinha com a imagem do padroeiro para peregrinação pelos lares das famílias na Península da Ponta D´Areia.

Na celebração matinal na Santa Luzia, a animação musical esteve a cargo de Jackson Nascimento e Raíssa Lima. Depois do comentário inicial feito por Leide, da procissão de entrada com as crianças levando as velas representando os sete dons do Espírito, da invocação da Santíssima Trindade, do Ato Penitencial cantado e do Hino de Louvor, a Primeira Leitura, extraída do capítulo 2 do Livro dos Atos dos Apóstolos, foi proclamada por Eliane destacando o trecho inaugural "Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho como se fosse uma forte ventania, que encheu a casa onde eles se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles".
A seguir a jovem Luciane cantou um trecho do Salmo 103 com o refrão conjunto "Enviai o vosso Espírito, Senhor, e da terra toda a face renovai" e a última estrofe "Que a glória do Senhor perdure sempre, e alegre-se o Senhor em suas obras! Hoje seja-lhe agradável o meu canto, pois o Senhor é a minha grande alegria!". Na Segunda Leitura, retirada do capítulo 12 da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios, o apóstolo das nações exorta no trecho intermediário "Há diversidade de ministérios, mas um mesmo é o Senhor. Há diferentes atividades, mas um mesmo Deus que realiza todas as coisas em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum". Então Paulo Araujo Filho cantou a Sequência de Pentecostes. Após o canto de aclamação, o celebrante proclamou o Evangelho do dia (João 20,19-23) reforçando o trecho final "E depois de ter dito isto, Jesus soprou sobre eles e disse: 'Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos".
Depois da homilia, da profissão de fé, da leitura das preces da assembleia e do Ofertório, Frei Valdo proclamou a Oração Eucarística, foi cantado o Santo, deu-se a consagração, foram rezados o Pai-Nosso, a Oração pela Paz e cantado o Cordeiro, daí veio o ato essencial da distribuição da Sagrada Eucaristia aos fiéis presentes, seguida da representação pós-comunhão com os jovens vestidos de vermelho representando os sete dons, dos avisos da comunidade, do rito de apagamento do Círio Pascal e da bênção final. Nas missas da Matriz às 8h30min e 19h, o pároco também celebrou com estruturação litúrgica semelhante. Na noite de sábado (03/06), Frei Valdo presidiu a missa da longa Vigília de Pentecostes na Matriz.
"Naquele tempo: Pedro virou-se e viu atrás de si aquele outro discípulo que Jesus amava, o mesmo que se reclinara sobre o peito de Jesus durante a ceia e lhe perguntara: 'Senhor, quem é que te vai entregar?' Quando Pedro viu aquele discípulo, perguntou a Jesus: 'Senhor, o que vai ser deste?' Jesus respondeu: 'Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, o que te importa isso? Tu, segue-me!" (João 21,20-22).
"Deus está no templo santo, e no céu tem o seu trono; volta os olhos para o mundo, seu olhar penetra os homens" (Sl 10,4).